Quinta, 28 de Ago de 2014 | Últimas Notícias | Fale Conosco | Busca            
Produção

21/02/2010 18:05
Jacu Bird Coffee - Café feito com fezes de pássaro é vendido a R$ 272 o quilo
Produto desenvolvido a partir dos excrementos do jacu ganhou o selo de segundo mais exótico do mundo e será representante do Brasil nas Olimpíadas de 2014


Twitter


UAI

Sandra Kiefer - Estado de Minas

21/02/2010

  
Você já ouviu falar no Kopi Luwak, o café mais exótico e caro do mundo, produzido a partir dos grãos comidos pelo civeta, um mamífero indonésio parecido com o gambá brasileiro? Maior produtor e exportador mundial de café, o Brasil escolheu o segundo café mais exótico do mundo para ser o seu representante nas Olimpíadas de 2014. O Jacu Bird Coffee é feito a partir dos grãos comidos e expelidos pelo pássaro de mesmo nome na Fazenda Camocim, no Espírito Santo. “Demos a nossa contribuição para ajudar a mostrar o país de boas qualidades, integrado com a natureza e que tem coisas bacanas e diferenciadas. Pelo menos café bom eles tomaram”, brinca o carioca Henrique Sloper, dono da fazenda.

“Nós levamos um ano e meio para dominar a técnica de fazer bebida boa a partir de cocô de passarinho”, comenta Sloper, detentor da patente do café. Segundo ele, foram interceptadas em Minas tentativas de produtores de copiar a técnica desenvolvida na Camocim, mas de forma errada, com os jacus presos em cativeiro. “Ficamos sabendo que alguns produtores estavam tentando prender o jacu e ensiná-lo a comer café. Mas não foi assim que aconteceu na nossa fazenda, onde o processo nasceu naturalmente”, diz.

Frutas

Com formação em marketing, Sloper garante que, apesar do jacu ser um pássaro natural da Mata Atlântica, encontrado principalmente no Espírito Santo e em Minas, é na Fazenda Camocim onde estão concentradas as condições geográficas ideais para a fabricação do café excêntrico. Segundo essa tese, a fazenda atrai os jacus por estar localizada no município capixaba de Domingos Martins, entre o Parque Pedra Azul, o Parque do Caparaó e o Pico da Bandeira. “Para não espantar o pássaro, desenvolvemos o sistema de agrofloresta, que garante um lugar silencioso, sem mecanização e com pouca gente trabalhando (cerca de 10 funcionários)”, afirma ele.

Ao todo, são cerca de 300 hectares de café e eucalipto, além de árvores frutíferas como amora e jabuticaba, que agradam os pássaros. Nesse espaço, são criados soltos cerca de 150 jacus que, por estar em extinção, não podem ser reproduzidos em cativeiro. Sloper conta que, há cerca de três anos, ao voltar de um passeio às ilhas da Indonésia, teve a ideia de transformar em solução o problema do excesso de jacus na fazenda, que exterminavam os pés de café. “Você já viu um bicho desse. Não se pode dizer que é um passarinho, é mais parecido com uma galinha gigante. É um cenário assustador ver mais de 100 jacus se apoderando dos pés de café. A gente fica espiando de longe e depois vai lá colher o café que eles ‘fizeram’. Você já ouviu o ditado de que fruta boa é a que passarinho bicou? O segredo é que eles escolhem os melhores grãos, que saem inteiros nas fezes, mas com menos acidez”, explica ele, que fabrica 12 sacas de 60 quilos ao ano.

Pelo jeito, quem quiser experimentar do café do jacu deve procurar diretamente os distribuidores da Camocim, em Belo Horizonte. Na Casa do Porto e no Supermercado Super Nosso Gourmet, ambos localizados na Avenida Nossa Senhora do Carmo, na Região Sul da capital, o quilo do Jacu Bird Coffee custa R$ 272, quase 30 vezes mais que o valor dos tradicionais. Para quem não estiver disposto a dar R$ 68 no pacotinho de 250 gramas do café, poderá provar da bebida na xícara, ao custo de R$ 8. “É difícil não gostar de um café que já traz toda uma história. Para mim, pareceu muito delicado na boca e com cheiro muito bom”, afirma Cristóbal Pérez, 20 anos, atendente da Casa do Porto. Ele acredita já ter mais de 100 clientes do Jacu Coffe, inclusive alguns que compram o produto de 15 em 15 dias. “Não posso revelar os nomes, porque é gente de alto poder aquisitivo”, completa.

Terroso

No Café Kahlua, o Jacu Bird Coffee consta no cardápio da casa, assim como o Kopi Luwak, mas nem sempre os dois podem ser encontrados pelos clientes. Só mesmo quando o dono da cafeteria, Ruimar de Oliveira, volta nos campeonatos internacionais de baristas que, este ano, serão realizados em abril na Califórnia (Estados Unidos), em julho na Inglaterra e em outubro no Japão. “O Kopi Luwak é a sensação do evento. No último dia, eles aparecem com pacotinhos de 250 gramas, distribuídos para cada delegação”, afirma o especialista que, entretanto, prefere o café do jacu. “O sabor do Kopi Luwak, que é um marsupial e se alimenta também de carne, é mais terroso, tem um cheiro muito forte. Já o do jacu é um normal, mais frutado”, conclui. A xicrinha do primeiro, porém, custa R$ 25 e o do segundo, três vezes menos, R$ 8.

Tags: Kopi Luwak, café jacu, fezes, Brasil,




Enviar para um amigo
enviar
Imprimir a materia
imprimir
Ir para editoria
editoria
Ir para editoria
mais noticias
Comentar Noticia
comente
Voltar
Voltar
Publicidade
Café Fácil








Siga no Twitter @cafeicultura
 
Revista Cafeicultura

Heranças e brigas em família
» Café Facil - Cafeteiras Espresso
Máquinas automaticas de café em ate 12x no cartão - Varias marcas
» CURSO DE BARISTA
querendo abrir sua primeira cafeteria, você vai encontrar no Kassai Café um produto de altíssima qualidade
 
 

Não encontrou o que procurava, faça uma Busca Especifica - Exemplo:
qual a produção brasileira de café orgânico
ou qual a previsão da safra de café para 2008

Google