Sábado, 22 de Nov de 2014 | Últimas Notícias | Fale Conosco | Busca            
Produção

04/06/2006 00:00
O que é o café especial ou gourmet?



Twitter




 

O nascimento dos cafés especiais, ou gourmet, no Brasil se confunde em muito com a criação da Associação Brasileira de Cafés Especiais - Brazil Specialty Coffee Association (BSCA). Não que cafés de qualidade superior já não existissem. Mas há dez anos, um grupo de produtores ‘’’de cafés de alta qualidade fundou a BSCA, tentando conquistar um nicho do mercado de gourmet para os melhores produtos do Brasil. Hoje, esses e outros esforços estão sendo recompensados. O fruto do trabalho está sendo mostrado pelo reconhecimento dos países consumidores da qualidade do café brasileiro. E isso é medido pelo preço que muitas vezes é pago por um produto excepcional de nossas regiões produtoras.

A BSCA selecionou cuidadosamente os membros da entidade. São cafeicultores brasileiros que dedicam uma parte de sua produção para cafés de excelentíssima qualidade, para torradores internacionais que só colocam na xícara dos consumidores produtos diferenciados. Assim como os melhores vinhos, champanhas e uísques, cafés especiais também podem ter preços exorbitantes. E essas indústrias sabem valorizar a matéria-prima, o café verde especial, que permite a produção de uma bebida ímpar.

Hoje, a BSCA participa dos principais eventos internacionais, como as conferências e feiras da Specialty Coffee Association of America (SCAA) - Associação de Cafés Especiais dos Estados Unidos, sempre destacando a qualidade do café brasileiro e tentando melhorá-la. O presidente da BSCA, Marcelo Vieira, define de forma simples como se chega à produção de um café especial: "É preciso capricho, só isso". Destaca que, fundamentalmente, um café gourmet vem da dedicação do produtor e do controle de qualidade. Além do toque pessoal, obviamente há outros quesitos necessários, como a alta tecnologia. Um verdadeiro café especial parte da escolha da área e da variedade a ser plantada. "A escolha do local de plantio relaciona-se com a qualidade do café e a sustentabilidade de seu cultivo", coloca a BSCA. A Associação destaca que os produtores membros têm enorme preocupação com a preservação ambiental. Afora isso, as regiões produtoras possuem características diversas, fornecendo alternativas para o mercado de café gourmet quanto a sabores e outras virtudes do café.

As áreas de cafés especiais envolvem basicamente a região Mogiana de São Paulo, o sul e Cerrado de Minas Gerais, além do Vale do Jequetinhonha, o oeste da Bahia e região das chapadas baianas. No entanto, não se restringem a isso. Novas áreas vão se firmando como produtoras de cafés excelentes, como é o caso das Matas de Minas, região em que uma produtora venceu o prêmio do concurso de qualidade de Café Gourmet - Cup of Excelence.

A seleção do local de produção e da variedade é seguida de práticas culturais caprichosas na busca por um café especial. É fundamental uma colheita seletiva, seja manual ou mecânica, no momento ideal da maturação para garantir um rendimento ótimo de café cereja. Depois de uma colheita cuidadosa, a secagem é recheada de toques especiais, ao sol em camadas finas, com mão-de-obra experiente e bem treinada, podendo ser complementada em secadores modernos. Com o clima favorável durante a colheita, em que normalmente há tempo seco, os produtores de cafés especiais podem escolher o sistema de processamento adequado às necessidades do mercado de gourmet. Dependendo do critério e da escolha do produtor, podem ser produzidos o café natural, cereja descascado ou o despolpado. Como a produção dos especiais é restrita, cada lote pode ser preparado e designado no processamento de acordo com a necessidade do comprador.

O trabalho da Associação Brasileira de Cafés Especiais é baseado na consistência em torno da busca de qualificação do produto, no marketing - traçando-se parcerias com o cliente - e fundamentalmente no controle de qualidade, com a certificação garantida pela BSCA. A Associação só concede seu Certificado de Café Especial aos mais finos cafés especiais que obedecem a padrões rigorosos de qualidade, o que garante ao comprador todo o caprichoso trato dado pelo produtor a cada lote de produto, por menor que este seja.

Preços e remuneração extraordinários

Quando se trata de um mercado de cafés especiais, as cifras falam por si. O café verde gourmet vendido por produtores brasileiros no dia a dia consegue ágios médios em relação ao preço normal de um café fino de cerca de 20%, observa Marcelo Vieira, presidente da Associação Brasileira de Cafés Especiais. Pode não parecer muito, mas, como exemplo, se o mercado trabalha com uma cotação de R$ 110,00 a saca para um café muito fino, o gourmet pode ser vendido em média a pelo menos R$ 132,00. Meio quilo de café torrado e moído no Brasil custa de R$ 2,50 a R$ 3,50.

Algumas marcas industrializadas de cafés especiais de outros países chegam a custar mais de R$ 100,00 na Europa e EUA.

Marcelo Vieira destaca cafés que são vendidos a preços bem mais altos, como variedades orgânicas. Isso sem falar nos valores que produtores brasileiros de cafés premiados podem conseguir. No leilão realizado pela internet em 2000, fruto do Prêmio Cup of Excelence, o lote vencedor do Concurso foi vendido ao sensacional preço de R$ 725,74 a saca, na época o equivalente a US$ 402,13.

O Brasil ainda não alcançou outras nações que estão há mais tempo e com um marketing mais consolidado em relação ao prêmio para seus cafés. A Colômbia, segundo maior país produtor do mundo, ainda ganha nos seus ágios para o café gourmet, admite Marcelo Vieira. Mas o café brasileiro tem espaço para crescer não só em produção e exportação, como também em melhores preços. Por isso o país briga para largar o padrão atual do mercado interno de "duro para melhor", buscando retomar o conceito de produção de um produto "mole" ou melhor ainda, "estritamente mole", que é um café de qualidade superior. E luta para comprovar que o café brasileiro não tem nada a perder para o colombiano.

Custos X Lucratividade

Pesquisas mostram que vale à pena o produtor investir na qualidade, desde que saiba encontrar os canais certos de comercialização do seu café especial, para mercados que paguem mais pelo grão diferenciado. Na maior parte dos casos, o custo de produção é maior que o normal. Isso pode ser compensado com a valorização do produto, aumentando a lucratividade do cafeicultor.

O engenheiro agrônomo e consultor técnico do Projeto Café Gourmet, Guy Carvalho Ribeiro Filho, conduziu um trabalho para avaliar a "qualidade como fator de competitividade para a cafeicultura". Além da qualidade, foram analisados os custos e o valor agregado ao produto. Para isso, foram utilizadas 10 fazendas modelo, com resultados avaliados em duas safras. No primeiro ciclo, a produção foi convencional e no seguinte os tratos foram dirigidos para a colheita e preparo de um café especial. Guy Carvalho observou que: "Mesmo com valores diferenciados, todas as Fazendas Modelo apresentaram aumentos na receita, como prêmio alcançado pela melhoria de qualidade e diferenciação do produto. Quando analisado o impacto na lucratividade, observa-se que, mesmo com aumento no custo final, as Fazendas Modelo que diferenciaram seu produto e conseguiram agregar valor na venda, alcançaram aumento na lucratividade, comparando-se com o sistema anterior, à exceção da Fazenda número 10, que possui uma pequena área em produção e fez o investimento em ano de baixa produtividade."

As conclusões do trabalho de Guy Carvalho, basicamente, são de que é vantajoso o cultivo de um café especial, mas isso só é possível para aumento de lucratividade se o produtor tiver como vender esse café de forma diferenciada. "O produtor precisa de canais como os concursos de qualidade Cup of Excelence, Illycaffè e outros, ou trabalhar com a Associação Brasileira de Cafés Especiais, ou ainda ter acesso a exportadores de café de qualidade, porque de nada adianta produzir um café especial para vendê-lo como um produto normal, sem prêmio, pois o custo total de produção vai aumentar", garante o engenheiro agrônomo. Guy Carvalho se disse satisfeito com o trabalho nas 10 Fazendas Modelo, destacando que todas elas continuam investindo em qualidade e buscando canais específicos de comercialização para o seu café especial.

Texto extraído do site http://www.revistacafeicultura.com.br/edicao00/cafesesp.htm



Enviar para um amigo
enviar
Imprimir a materia
imprimir
Ir para editoria
editoria
Ir para editoria
mais noticias
Comentar Noticia
comente
Voltar
Voltar
Publicidade
Café Fácil








Siga no Twitter @cafeicultura
 
Revista Cafeicultura

Heranças e brigas em família
» Café Facil - Cafeteiras Espresso
Máquinas automaticas de café em ate 12x no cartão - Varias marcas
» CURSO DE BARISTA
querendo abrir sua primeira cafeteria, você vai encontrar no Kassai Café um produto de altíssima qualidade
 
 

Não encontrou o que procurava, faça uma Busca Especifica - Exemplo:
qual a produção brasileira de café orgânico
ou qual a previsão da safra de café para 2008

Google