Quarta, 22 de Out de 2014 | Últimas Notícias | Fale Conosco | Busca            
Tecnologias

11/06/2006 12:46
Processo de produção do café



Twitter




Antes do plantio há muitas coisas que devem ser verificadas desde a exposição até o tamanho das covas ou o preparo dos sulcos. Provavelmente a decisão mais importante que se deve tomar é o espaçamento e a densidade de plantio.

22/05/06

I - PLANTIO:

Espaçamento: variável, em função do manejo, do cultivar e da topografia do terreno e, número de plantas por hectare: nos espaçamentos tradicionais, com duas plantas por cova, o número de cafeeiros por hectare varia de 1.600 a 2.000 para porte alto e de 1.900 a 2.400 para porte baixo. Nos plantios adensados, as populações de cafeeiros variam entre 4.000 e 10.000 plantas por hectare. Plantio:usar mudas com 6 meses de idade (4 a 6 pares de folhas) no período chuvoso (ou com irrigação).

Observações: evitar as faces sul e sudeste na escolha do terreno, bem como solos mal drenados e com declives acima de 30%. Em cafezais adensados, deve-se considerar a disponibilidade de mão-de-obra, que aumenta consideravelmente pelas podas necessárias, pela dificuldade de colheita e condução da lavoura. O adensamento recomendado também para terrenos íngremes, pedregosos que impossibilitam a mecanização para pequenas áreas.

II - CORREÇÃO DO SOLO:

1 - Calagem: a quantidade de calcário a ser utilizada é aquela que eleve a saturação em bases do solo à aproximadamente 70%.

Em terrenos planos, o calcário e deve ser distribuído em área total, metade antes da aração e metade depois ou antes da gradagem. A época de aplicação vai variar conforme a PRNT do calcário e o teor de argila do solo. A aplicação antes do plantio não dispensa a aplicação no sulco ou na cova. Cafezais em formação ou em produção, a análise de solo indicará quando de calcário deve ser aplicado, a aplicação é feita distribuindo 60% do calcário na faixa adubada e 40% no meio da rua.

2 - Gessagem :o gesso é empregado quanto à análise do solo de 20 a 40cm apresentar uma participação do cálcio na CTC e menor que 60% e mostrar que a saturação de alumínio seja maior que 20%.

Antes do plantio o gesso deve ser aplicado após a calagem, distribuído a lanço e sem a necessidade de incorporação. Nos cafezais em produção por ser aplicado juntamente com o calcário, se o solo necessitar de calagem, ou separadamente.

3 - Adubação : a capacidade do solo em fornecer os elementos são avaliadas de modos indiretos, como: diagnose foliar, análise foliar (analisa-se o 3º ou 4º par de folhas do terço médio da planta e ao redor dela, amostrados no verão) e testes bioquímicos ou diretamente através de análise de solo (realizada antes da colheita ou da arruação, no meio da faixa adubada, a amostra deve conter 10 sub-amostras de uma gleba homogênea de no máximo 50ha). A adubação procura cobrir as exigências nutricionais do cafeeiro que não são fornecidas pelo solo. Temos os seguintes tipos de adubação: plantio, formação e produção.

a - Adubação de Plantio : é preciso misturar muito bem o calcário, os adubos orgânicos com a terra (usa-se subsolador de 3 hastes ou outro implemento semelhante) para evitar problemas com salinidade e toxicidade com boro.

Orgânica : pode ser adotado algum destes adubos orgânicos (se possível) :esterco de galinha, esterco de frango (com cama ou puro), palha de café ou torta de mamona. Utilizar materiais curtidos ou aplicar com 45 dias de antecedência.

Mineral: são utilizados os seguintes elementos: fósforo, potássio, boro, cobre, manganês e zinco, dependendo da análise de solo. O nitrogênio é utilizado após o pegamento das mudas, no intervalo de 30 dias, ate o final do período chuvoso.

b - Adubação de formação e de produção : as doses de adubos são calculadas em função da análise de solo e da produção esperada (kg de café beneficiado por hectare). Os adubos são parcelados, num mínimo de 2 e num máximo de 4 vezes, de setembro a maio, deve-se levar em conta os períodos de exigência, as chuvas e o comportamento do elemento no solo. Os adubos devem ser distribuídos da seguinte forma:

· Cafezais não mecanizados a lanço, metade dentro e metade fora da projeção da copa;

· Cafezais mecanizados faixas com largura iguais, metade dentro e metade fora da projeção da copa;

· Cafezais adensados área total, 60% do adubo sob a saia do cafeeiro.

III - PODAS:

1 - Decote:é realizada na metade superior da planta, varia desde 1,20 m até 2,0 m. Indicado para lavouras que não perderam a saia (ramos da parte baixa da planta). Revigora os ramos da base forçando seu crescimento e ramificação e mantém a planta com altura mais adequada para colheita.

2 - Recepa: é o corte do tronco da planta em altura inferior a 0,80m, mas geralmente é realizada entre 40 a 60 cm acima da superfície do terreno. Nos casos de plantas que não perderam a saia, pode-se deixar 1 ou 2 ramos laterais no tronco, chamados "ramos pulmões", que contribuem para um melhor desenvolvimento da brotação nova e para melhores produções nos primeiros anos. É indicada para cafeeiros que perderam a saia, lavouras afetadas por geadas e para lavouras superadensadas.

3 - Esqueletamento : é o corte dos ramos laterais a uma distância de 20 a 30 cm do tronco do cafeeiro. Nesta poda aproveita-se também para fazer um decote cortando-se o tronco a uma altura superior a 1,20 m. É indicado para lavouras adensadas e superadensadas pois, ela diminui o diâmetro da copa do cafeeiro e renova os ramos laterais. Os cafeeiros esqueletados recompõem mais rapidamente a copa e são menos afetados pelas geadas moderadas do que os cafeeiros recepados.

IV - COLHEITA:

Período: abril a setembro - iniciar quando houver menos de 10% de frutos verdes.

No Brasil, normalmente a colheita é feita por derriça no chão, não é muito recomendada, pois deixa os frutos em contato com o chão, sendo sujeitos a fermentações prejudiciais, tanto no aspecto quanto na bebida, seguido após por abanação, para uma limpeza preliminar. O mais recomendado processo de colheita é a derriça no pano, o café é derriado sobre pedaços de lona colocados sob o cafeeiro, evitando o contato do café com a terra.

A Derriça poderá ser manual ou mecânica:

a - derriça manual : derriça que pode ser no chão ou no pano.

b - derriça mecânica : basicamente são usados dois tipos de equipamentos:

Colhedoras tracionadas por trator ou automotrizes (a declividade não deve ultrapassar 15% para automotrizes e 20% para as tracionadas) e as semi-automáticas ou manuais, sendo acionadas por ar comprimido ou motorizado.

Varrição : Recolhimento dos frutos caídos no chão após da colheita.

Abanação: tem a finalidade de retirar folhas, gravetos e outros objetos.

Repasse : retirada dos frutos que ficaram no pé ou no chão após a colheita, evitando que a broca permaneça na lavoura.




veja mais

- Nematóide: o inimigo invisível da agricultura

- Arborização em lavouras de café robusta em Rondônia

- Como ter uma cafeicultura rentável

- Como produzir um café orgânico?

- A qualidade no segmento de cafés especiais


Enviar para um amigo
enviar
Imprimir a materia
imprimir
Ir para editoria
editoria
Ir para editoria
mais noticias
Comentar Noticia
comente
Voltar
Voltar
Publicidade
Café Fácil








Siga no Twitter @cafeicultura
 
Revista Cafeicultura

Heranças e brigas em família
» Café Facil - Cafeteiras Espresso
Máquinas automaticas de café em ate 12x no cartão - Varias marcas
» CURSO DE BARISTA
querendo abrir sua primeira cafeteria, você vai encontrar no Kassai Café um produto de altíssima qualidade
 
 

Não encontrou o que procurava, faça uma Busca Especifica - Exemplo:
qual a produção brasileira de café orgânico
ou qual a previsão da safra de café para 2008

Google